dos meus rastros e das minhas mudanças

Eu tenho uma mania engraçada: às vezes, entro aqui no blog e começo a ler posts meus dos anos anteriores do mesmo mês em que estou. Estou aqui sentada lendo posts de abril de 2016, 2015, 2014, 2013, 2012, 2011 e 2010…

 

Fico orgulhosa: como eu mudei! Caramba… Quantos pesos ficaram pra trás! Eu ainda me acho meio desgraçadinha da cabeça, mas eu deveria ter mais paciência comigo mesma, que já foi muito pior. Hahahahaha

Hoje sou uma pessoa muito mais leve do que era há uns anos atrás. Algumas frustrações, caras quebradas, terapias e Nikolas depois, minha vida emocional e meus relacionamentos são OUTRA VIBE. Totalmente. Que coisa bem maravilhosa! Dá vontade até de voltar lá atrás e dizer para aquela Paula: “sossega, criatura! pra quê tá sofrendo com isso? pra quê tanta culpa, tanto drama, tanta cobrança? larga de mão e fica de boas…”

Enfim, eu sei bem que ela tinha seus motivos. E ela aprendeu e mudou, isso que importa.

Mas imaginem vocês que eu era o tipo de pessoa que achava que tinha de ter a vida toda certa e planejada. Queria ter plano de curto, médio e longo prazo, pra até 10 anos. Hoje em dia eu não sei nem o que vou fazer ano que vem… Mal sei o que estarei fazendo mês que vem, na verdade. Aprendi que a vida é inconstante mesmo e que não adianta ficar tentando controlar as coisas.

Eu queria seguir o roteiro, fazer “tudo direito”, ter um bom emprego, trabalhar muito, casar, ter 4 filhos. ATÉ PARECE KKKKKKKK 4 FILHOS! Socorro… Ainda bem que eu comecei a fazer aquele interessante exercício de me perguntar o que EU realmente quero e separar isso do que eu acho que as pessoas querem de mim. Foi um processo longo e difícil esse, de descobrir o que EU queria pra minha vida e o que EU gostava. Aí eu descobri que nem filho eu quero ter. Pelo menos agora eu não quero nunca ter. Quem sabe, né?

Eu também fui o tipo de pessoa que achava que podia prometer eternidade nos meus relacionamentos. E nem digo só de relacionamentos românticos. Eu tinha plena certeza e confiança de que algumas pessoas JAMAIS sairiam da minha vida. De que não havia vida sem elas. Mas, né? Mais uma vez a vida ensinou: ninguém é insubstituível, existe vida antes e depois de qualquer pessoa. Olha quanta gente já entrou e saiu! Pra que ficar tentando adivinhar quem vai ficar e quem não? Deixa o movimento. Deixa as pessoas virem, ficarem o quanto quiserem, irem embora quando algo levar embora. A gente sempre se diverte no meio do caminho, aprende umas coisas e segue a vida sem drama e sem rancor.

E os significados que eu colocava nas coisas? Vishe… Via significado em tudo. Hoje em dia acho a vida tão menos complicada e confusa. (menos confusa, não melhor, vejam bem. eu continuo achando que a vida é uma merda, só acho que ela é o que é, não tem nada de significado ou mensagem subliminar escondida por trás das coisas). Ter propósito na vida é uma coisa muito legal, mas às vezes isso acaba complicando coisas que não são complicadas e confundindo coisas que não são confusas. Às vezes a vida só é uma merda mesmo, e pronto. Ou só é legal mesmo, e pronto.

Mas o que eu acho que mais mudou, de tudo isso, é minha forma de me relacionar com as pessoas. Me tornar uma pessoa mais assertiva foi um processo enooooooooooorme de longo e cansativo. Eu era uma criatura maluca: me autossacrificava pelas pessoas, achava que tinha que ser assim; aí as pessoas não faziam o mesmo por mim, que elas não são obrigadas; aí eu chorava, me sentindo sozinha, abandonada e sem amparo; aí isso desencadeava conflitos; aí eu me sentia culpada, um lixo de ser humano; aí eu me autossacrificava pelas pessoas de novo pra tentar compensar isso tudo; etc etc etc etc. Percebem o drama? Aí eu fiz terapia a primeira vez e me tornei consciente disso e comecei a mudar. Mas, gente, é tão difícil mudar algo TÃO enraizado! Tipo, esse foi o jeito que eu aprendi a me relacionar desde criança. Mudar um hábito de vinte anos é uma trabalheira. Aos poucos fui mudando. O auge da mudança foi quando uma criatura abençoada pelos céus entrou na minha vida.

Aprendi com o Nikolas, na prática, o que é um relacionamento saudável. E, gente, quecoisamarlindadessemundo é um relacionamento saudável. Nikolas é, aparentemente sem esforço algum, a pessoa mais assertiva que eu conheço. Ele é tipo um paciente modelo de terapia cognitivo comportamental. Ele tipo É a PERSONIFICAÇÃO da terapia cognitivo comportamental (só que ele nunca precisou fazer terapia pra isso, o desgraçado). Aprendi que dá pra se relacionar simplesmente falando o que a gente pensa e sente. Que se estivermos aflitos, em dúvida ou achando que o outro está achando algo, a gente chega e pergunta. Aí a gente resolve tudo com 5 minutos de conversa. Se um erra, o outro fala que ficou chateado, o primeiro pede desculpas, o segundo perdoa, e fim. Simples assim. Relacionamentos podem ser simples. Extremamente simples.

Com a simplicidade em lidar com relacionamentos vários, veio como consequência fácil uma crescente sensação de liberdade e ausência de preocupação com a opinião alheia a meu respeito. Tipo, por mais clichê que isso possa parecer.. Genuinamente não me preocupo mais da mesma forma com a opinião das pessoas sobre quem eu sou. Pois consigo concluir sempre, de forma bastante racional, que isso simplesmente não faz diferença na minha vida de força prática.

Quer dizer, as expectativas que as pessoas colocam sobre mim são um problema delas, não meu. Elas que lidem com isso, portanto. Vez ou outra, se você convive comigo, eu vou te decepcionar. Desculpa. É o que as pessoas fazem. O que posso prometer é que vou me arrepender e sentir muito (mas não me martirizar).

Assim como as expectativas que eu coloco nas pessoas são problema meu. Então eu simplesmente comecei a me responsabilizar por elas e lidar com elas. E a me irritar, decepcionar e entristecer muito menos com as pessoas.

Eu também espero muito menos das pessoas hoje em dia, consequentemente, mas é o preço, né não?

Não que eu tenha conseguido mudar tudo isso 100%. O que eu sou é uma complexa construção de uma pitada de genética e um mundo de ambientes e acontecimentos. Eu tenho mecanismos profundos e marcantes demais, que provavelmente vão fazer parte de mim pelo resto da minha vida. Coisas que eu vou continuar driblando.

O legal é que todo dia faço uma descoberta nova a meu respeito, encontro um jeito novo de melhorar e lidar melhor com minhas questões. Eu ainda estou tentando lidar melhor com minha ansiedade, com minha sensação constante de não ser boa ou capaz o suficiente, de ser uma farsa – mas vamos lá, estou caminhando e me esforçando pra melhorar isso também.

Enfim. Eu poderia continuar escrevendo, mas seria um texto infinito. Não dá pra mensurar o tanto de mudanças que ocorrem numa pessoa. E as mudanças vão continuar acontecendo, certeza. Ano que vem olharei pra trás e pensarei “caralho, olha só como eu era ano passado! como pode? ainda bem que eu mudei”

O importante é que essa sensação de “ainda bem que eu mudei” continue presente, sempre

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s